Poupar é algo que muitas famílias desejam fazer, mas que infelizmente poucas o fazem. Por vezes é por razões puramente financeiras (porque o dinheiro não chega ao final do mês), outras por mera desorganização. Mas poupar não tem de ser complicado…

Neste artigo vamos dar-lhe algumas dicas de poupança, que o vão ajudar a automatizar este processo, para que consiga ter no final do mês, uma surpresa agradável.

POUPANÇA AUTOMÁTICA

Em inglês existe uma expressão chamada “pay yourself first” (PYF) que pode ser traduzida para português, como qualquer coisa como “pague-se primeiro”. A ideia é que ao pagar-se primeiro, ao retirar para si uma poupança, automaticamente está a disciplinar-se para não gastar e a priorizar a poupança. Esta é a importância da poupança automática!

SOLUÇÕES

  • Plano de entregas programadas

É uma solução acordada com o seu banco, em que em determinado dia do mês, é transferido x euros da sua conta à ordem para a sua conta a prazo. Simples e automático.

Apresenta-se como uma alternativa para quem se esquece de fazer as transferências manuais e permite fazer facilmente o “PYF”, pois pode pedir para fazer esta transferência nos dias imediatamente a seguir a receber o seu salário.

Mas atenção que depois de contratado este serviço, o banco irá fazer sempre esta transferência, mesmo naqueles meses que por ter alguma despesa extra, não lhe dá muito jeito. Assim, tenha em atenção o dia programado para que não ajam surpresas desagradáveis.

  • Arredondamento de trocos

Existem cartões de crédito e de débito que ao fazer uma compra com eles, arredondam o valor da compra, transferindo este valor para uma conta poupança.

Por exemplo, se faz uma compra que custa 19,20€, vai pagar ao comerciante os 19,20€, mas da sua conta à ordem vão sair 20€. 19,20€ para o comerciante e 0,80€ para uma conta poupança. Os valores a arredondar podem ser configurados com o seu banco, para cêntimos ou euros.

Este é um sistema bom para quem tem dificuldades em retirar um valor alto para poupança, preferindo ir recolhendo valores mais pequenos. No entanto tenha atenção que se fizer muitos movimentos num mês, tudo ficará mais caro e no final pode acabar por poupar mais do que se fosse programado.

  • Cartões com cashback

É um sistema em que o banco lhe devolve uma percentagem do que gastar com o seu cartão de crédito. A devolução é normalmente feita no mês seguinte e pode ser diretamente para uma conta a prazo, para uma conta à ordem ou a descontar diretamente no que gastou no cartão de crédito no mês seguinte.

Tenha no entanto cuidado com os gastos do cartão de crédito e sobretudo, com o método de pagamento do mesmo. Se não tiver o cartão a pagar a 100%, terá de pagar juros e provavelmente, estes juros, irão ser superiores a qualquer devolução que lhe façam.

  • Gestão Automática de Tesouraria

Normalmente este é um processo que se usa nas empresas, mas alguns bancos também já a disponibilizam para particulares. Como funciona? É simples: quando a conta à ordem está acima de um determinado valor previamente estabelecido, é transferido essa diferença para uma conta a prazo. Quando a conta está abaixo de um determinado limite igualmente estabelecido, é transferido da conta a prazo para a conta à ordem.

Está bem de ver que este sistema só funciona para quem é organizado em termos de gastos, ou corre o risco de ter muitas vezes a conta a ordem abaixo do limite e acabar por retirar mais à poupança do que ao contrário (como é o objectivo).