Com a baixa das taxas de juro, é uma boa altura para começar a poupar. Mas qual o melhor cenário: renegociar com o banco ou transferir o crédito habitação? O Professor Poupança diz-lhe, então, o que deve esperar em cada situação.

Renegociar com o banco ou transferir o crédito habitação é uma dúvida legítima de qualquer cliente. Afinal, todos desejam começar a aproveitar as condições positivas do mercado, para pagar menos todos os meses a fim de começar a poupar mais a curto e a longo prazo.

Esta oportunidade de poupança deve, de facto, ser aproveitada, e, aliás, vai além de baixar o spread, visto que há outros custos inerentes ao financiamento que podem, igualmente, ser reduzidos, como por exemplo, as taxas de juro fixas e os juros associados à Euribor.

Além disso, alguns bancos estão inclusivamente a pagar parte, ou a totalidade das despesas na transferência do crédito a partir de um banco concorrente, numa tentativa de angariação de novos clientes. Ganham os bancos e, como resultado, ganham os consumidores. Assim, entre renegociar com o banco ou transferir o crédito habitação considere todas as condições para tomar a decisão certa.

Renegociar o crédito habitação: tudo o que deve saber

A renegociação do crédito habitação nem sempre é uma tarefa fácil em nome individual. Nesse sentido, ter do seu lado uma equipa especialista de intermediação de crédito que o pode ajudar a esclarecer todas as dúvidas e a encontrar o melhor cenário para si e para as suas finanças é, então, uma escolha que lhe irá, posteriormente, trazer grandes vantagens.

Dado que as condições económicas melhoraram nos últimos anos, após a saída da crise em que o país se encontrava, atualmente, o dinheiro está mais barato e, sobretudo, o crédito habitação sai beneficiado, permitindo, por isso, conseguir condições mais atrativas.

Saiba como pode poupar ao transferir o crédito habitação.

O que pode renegociar no crédito habitação

Quando iniciar um processo de renegociação do crédito habitação saiba que pode ver alteradas, principalmente, as seguintes opções:

  • Spread: um bom spread situa-se entre 1% a 1,5%, pelo que se não é este o valor que paga, saiba que é um valor que pode negociar;
  • Prazo do empréstimo: caso possua uma prestação elevada, então, pode renegociar o prazo do empréstimo aumentando, assim, o número de anos no mesmo;
  • Seguro de vida e seguro multirriscos: não precisa de aceitar o valor dos seguros apresentados pelo banco onde contratualizou o crédito, podendo, aliás, encontrar outras opções mais vantajosas;
  • Cartão de crédito: se possui um cartão de crédito como condição de contratualização do crédito habitação, então, saiba que pode também renegociar as condições do mesmo, se não estiver satisfeito;
  • Conta poupança: alguns bancos também poderão incentivar a criação de uma conta poupança para melhorar o spread do seu crédito. Poderá não ter custos com isso, mas, às vezes, é possível alterar a sua obrigatoriedade;
  • Outros produtos financeiros: se subscreveu alguns no sentido de obter melhores condições, então, na verdade, poderá estar a pagar mais por isso sem qualquer necessidade.

O que não pode renegociar no crédito habitação

No entanto, existem outras situações que não admitem renegociação, nomeadamente:

  • Conta ordenado: a domiciliação do ordenado é um fator obrigatório na maioria dos bancos portugueses;
  • Débitos diretos: mesmo não sendo obrigatórios, a maioria dos bancos exige a existência de débitos diretos associados ao crédito habitação.

Transferir o crédito habitação: o que significa?

A transferência do crédito habitação consiste, pois, na mudança do crédito atual para outra entidade bancária. Portanto, a mudança deve-se à apresentação de melhores condições para o cliente, que permite reduzir mensalidades e encargos, por parte de outros bancos.

Transferir o crédito à habitação: sim ou não?

Agora que já sabe em que consiste a renegociação de crédito habitação, bem como a transferência do mesmo, a resposta sobre qual a decisão mais acertada simplesmente não existe.

O que deve ter mesmo em conta é que, à partida, qualquer pessoa pode optar por renegociar as condições do contrato atual ou até transferir o crédito à habitação para outro banco, no sentido de encontrar as melhores condições. E é principalmente isto mesmo que deve ter em conta: a sua saúde financeira poderá ser melhorada se o fizer. Não se resigne ao já tem. Pelo contrário: se não o fizer nunca saberá se está a perder benefícios e, como resultado, conseguir poupar milhares de euros ao longo da duração do contrato.

No entanto, não se esqueça de que ao optar pela mudança de entidade credora, deve avisar o banco onde tem o crédito à habitação atualmente de que irá avançar com a mudança, no mínimo, com 10 dias úteis de antecedência.

Por isso, faça as contas e encontre o resultado que mais o irá favorecer.