Se contraiu um crédito, este artigo é para si! Saiba como aproveitar a descida das taxas de juro, através das dicas que o Professor Poupança tem para si. Seja qual for o tipo de crédito contraído, a descida das taxas de juro reflete-se diretamente numa redução das prestações mensais que possuam, da mesma forma, uma taxa variável.

Enquadramento

Depois de atingidos marcos históricos máximos nos últimos anos, fruto da crise financeira em que Portugal se encontrava, segue-se a tão aguardada queda expressiva das prestações de crédito. Que permite facilitar o acesso aos produtos de crédito, assim como aumentar as possibilidades de poupança.

Nesse sentido, é importante ter em conta que aquando de um pedido de crédito é possível optar por uma taxa de juro fixa ou por uma taxa de juro variável. No caso do crédito habitação, cuja taxa variável está, sobretudo, ligada à EURIBOR, encontra grandes vantagens, principalmente no facto de originar prestações mais baixas no início do contrato. Há ainda que ter em atenção que se o indexante subir, a sua prestação sobe também. Por outro lado, a taxa fixa pode garantir uma certeza maior na prestação a pagar, ainda que não se usufrua de uma descida das taxas de juro indexantes. Antes de tomar uma decisão, consulte um especialista na matéria, para ajudá-lo a fazer a melhor escolha possível.

6 formas de aproveitar a descida das taxas de juro

Conheça as dicas do Professor Poupança para saber como aproveitar a descida das taxas de juro.

1. Aproveite para renegociar o crédito habitação

A descida das taxas de juro cria o cenário perfeito para a renegociação das condições do crédito habitação. Dado que os spreads estão a ser reduzidos com alguma frequência, é possível pedir à entidade bancária para reduzir o spread, ainda que possa ser solicitada a contratação de algum produto específico – assim sendo, faça bem as contas para saber se está mesmo a fazer um bom negócio.

Além disso, pode também ponderar a transferência do crédito para outra instituição financeira, que, decerto, lhe poderá apresentar condições mais apelativas.

2. Negoceie os cartões de crédito

Provavelmente não sabe, mas o Professor Poupança revela: é muito possível que a taxa de juro que lhe está a ser cobrada pelo cartão de crédito é a taxa máxima que vigorava na altura da contratação do cartão. Com efeito, só por aqui já percebe que poderá estar a pagar mais do que é suposto e, com a descida das taxas de juro, esta é uma das formas mais práticas e imediatas de começar a poupar.

Nesse sentido, faça o que for preciso para começar a poupar dinheiro com o cartão de crédito: deve contactar o gestor de conta, pedindo uma revisão das condições contratuais. Se, todavia, as mesmas não lhe parecerem razoáveis, tem sempre a possibilidade de cancelar o cartão de crédito em causa e contratar outro, usando o plafond do novo produto bancário para liquidar eventuais dívidas do anterior.

Ainda assim, se a dívida do cartão de crédito for bastante elevada, poderá ponderar a aquisição de um crédito pessoal, se lhe oferecerem melhores condições, para pagar a respetiva dívida. Assim, conseguirá aproveitar a descida das taxas de juro para se livrar de outras obrigações financeiras mais pesadas.

3. Avance com a consolidação de créditos

O crédito consolidado é uma opção cada vez mais recorrente para os clientes de serviços financeiros. Permite reunir vários créditos num único só, o que faz com que se reduza não só a prestação mensal, mas também as respetivas taxas de juro associadas, ao mesmo tempo que estas se encontram ainda mais baixas.

4. Amortize os créditos com taxas de juro mais elevadas

Saber como aproveitar a descida das taxas de juro é uma excelente estratégia para começar, posteriormente, a ter mais dinheiro disponível todos os meses que pode ser usado para amortizar os créditos que possuam e que têm taxas de juro mais elevadas, como por exemplo, o crédito habitação.

É uma excelente forma de aproveitar uma fase em que tem mais rendimento para planear o futuro, liquidando o que lhe for possível. Afinal, esta fase de taxas de juro mais baixas não vai durar para sempre…

Saiba mais sobre este tema e o que o Professor Poupança tem a dizer sobre se deve ou não amortizar o crédito habitação.

5. Avalie a possibilidade de fixar taxas de juro

Apesar de, historicamente, a taxa variável ser aquela que oferece melhores condições para a aquisição de um crédito, o Professor Poupança aconselha a que esteja atento à possibilidade de fixar as taxas de juro, sobretudo, do crédito habitação, onde se verificam, atualmente, condições bastante atrativas.

Saiba tudo sobre taxas de juro no crédito habitação.

6. Poupar, poupar e poupar

Acima de tudo deve aproveitar as boas condições do presente, para começar a pensar no seu futuro financeiro e em criar melhores condições, para que possa diminuir as despesas atuais, com a finalidade de criar uma poupança, para fazer face a despesas imprevistas ou para planear determinada aquisição mais avultada.

Conclusão

Estas foram as 6 formas de como aproveitar a descida das taxas de juro, que vão mudar a sua vida. Não se esqueça de consultar especialistas na área para um acompanhamento mais personalizado, de forma a encontrar as soluções mais vantajosas de acordo com o que procura. Aproveite para pedir de imediato, e já de seguida, uma simulação. Assim, até o futuro parece mais risonho.