Se já está a investir ou pensa em fazê-lo, este é, de facto, um passo importante e consciente a ser dado. Uma vez que, ao poupar um pouco de dinheiro hoje, poderá usufruir do mesmo amanhã.

Esperamos que esta lista de 10 perguntas o ajude a potenciar os seus investimentos.

1. Quanto devo investir?

Caso possua dívidas com valores elevados, a escolha mais sensata será não investir, uma vez que o retorno do investimento feito é incerto. De acordo com os especialistas, será, também, sensato ter pelo menos seis meses de despesas em poupanças para um eventual caso de emergência. O próximo passo será calcular, com exatidão, qual o valor das suas receitas e despesas. Isto deverá então dizer-lhe qual o montante que resta. Tente investir algo, mesmo que seja pouco.

2. Já diversificou a sua carteira de investimentos?

Diversificar os seus investimentos significa comprar diferentes tipos de investimentos potencialmente em diferentes regiões. Isto ajudará a equilibrar a sua carteira de investimentos, de modo a que quando um investimento tiver um desempenho inferior a outro, poderá recuperar mais facilmente. Ter um vasto leque de ativos, incluindo alguns em poupanças, é uma abordagem sensata no que toca a investimentos.

3. Qual o risco que está disposto a correr?

Ao assumir mais riscos o retorno será potencialmente maior. Contudo, assumir mais riscos pode significar maiores possibilidade de perdas. Se não está disposto a correr riscos, o melhor será colocar o seu dinheiro numa conta poupança. O retorno será menor, mas o seu dinheiro estará mais seguro.  O espectro de risco-retorno vai desde baixo risco a alto risco: Dinheiro/poupança; obrigações governamentais, obrigações corporativas, obrigações corporativas de alto rendimento, acções, acções de mercados emergentes.

4. Quanto está disposto a perder?

Esta pergunta ajudá-lo-á a responder à pergunta nº3. Parte do processo de assumir riscos é calcular o quanto você se sente confortável em perder. O valor que está disposto a perder deverá influenciar o tipo de investimento que irá fazer. 

5. Qual o objetivo do seu investimento?

Esta pergunta irá ajudá-lo a determinar o período temporal para os seus investimentos. Por exemplo, poupar para férias tende a ser um investimento a curto prazo, por isso pode não querer o seu dinheiro comprometido a um investimento que pode flutuar bastante e que é difícil de receber. Seguramente, quererá mais certezas e acesso facilitado às suas poupanças. Nestes tipos de casos, uma conta poupança poderá ser melhor opção do que investir. Alternativamente, tem sempre a possibilidade de poupar para a reforma, uma vez que, poderá dar-se ao luxo de correr mais riscos, porque tem mais tempo para recuperar de potenciais perdas e incorporá-las nos ganhos.

6. Está confortável em investir a longo prazo? E tem coragem para isso?

O erro clássico do investidor é vender as suas ações em tempos difíceis e comprar durante períodos mais favoráveis. Tende a ser o oposto: comprar baixo, vender a um valor alto. Na verdade, tentar cronometrar a sua entrada e saída do mercado pode revelar-se um risco. Nestes casos, como investidor o melhor a fazer é nada. É sempre recomendável que dê aos seus investimentos na bolsa o máximo de tempo possível, geralmente, cinco ou mais anos.

7. Deverá reinvestir os seus dividendos?

Ao comprar uma ação, pode escolher como quer receber dividendos futuros. Poderá, ainda, optar por receber dinheiro, referido como renda, ou usar esse dinheiro para recomprar mais ações da empresa, o que é, comumente, conhecido como acumulação.

Deverá optar por recomprar (acumular) mais ações para acionar o início de um processo chamado efeito de capitalização.

Os juros compostos, de forma simplificada, são juros sobre os juros e podem ajudar um investimento a crescer a uma taxa mais rápida. Ao reinvestir dividendos, dará ao seu investimento o potencial de ganhar ainda mais dividendos no futuro, e o processo continua.

8. Incluiu a inflação no seu plano de investimento?

A inflação é efetivamente o aumento do custo de vida e pode reduzir o valor do seu dinheiro e dos seus investimentos. Quando investe, o objetivo é aumentar o valor do seu dinheiro, através de uma taxa que o ajudará a atingir seus objetivos e a superar confortavelmente a inflação, caso contrário, estará a perder dinheiro.

9. Tem um plano para poupar mais?

A forma mais fácil de poupar é assumir o compromisso de que, para aumentos de salário e bônus, uma parte do dinheiro extra será direcionada para a sua conta de investimento. Deste modo, se nunca o tiver nunca o perderá.

10. E finalmente… Com que idade poderá começar a investir?

Os benefícios de começar a investir cedo são espantosos. Quanto mais cedo começar, maior e mais rápido as suas economias crescerão.